#034 – Potencial de Ação

O potencial de ação (PA) é caracterizado como um evento elétrico que ocorre em células excitáveis. Este processo desencadeia uma inversão na variação do potencial de membrana da célula. Existem alguns tipos celulares que desencadeiam o PA, como, por exemplo, os neurônios, as células musculares e células secretoras. Neste exemplo que iremos demonstrar, falaremos sobre […]

O potencial de ação (PA) é caracterizado como um evento elétrico que ocorre em células excitáveis. Este processo desencadeia uma inversão na variação do potencial de membrana da célula. Existem alguns tipos celulares que desencadeiam o PA, como, por exemplo, os neurônios, as células musculares e células secretoras. Neste exemplo que iremos demonstrar, falaremos sobre o mecanismo do PA em células neuronais e musculares. Nestes dois tipos celulares, devemos levar em consideração alguns aspectos necessários para entendermos o potencial de ação.

O primeiro ponto é que, nestas células, a variação do potencial de repouso corresponde à -90 mV, de modo que, quando analisarmos as diferenças elétricas dentro e fora da célula, verificaremos que o interior desta célula é predominantemente negativo e o exterior predominantemente positivo.  Quando a célula encontra-se nesta condição, denominamos de potencial de repouso da célula.

apot1

Segundo refere-se a concentração de dois íons necessários para que ocorra o PA, que são os íons Sódio (Na+) e Potássio (K+). Cada íon em questão participa em uma etapa específica do PA. Nestas células, a diferença de concentração destes íons no meio intracelular e extracelular são bem distintas, onde, no caso do Na+, a concentração é muito mais elevada no exterior (145 mM) do que no interior da célula (12 mM) e, no caso do K+, o perfil de concentração é oposto ao Na+, ou seja, muito mais concentrado no meio interno (160 mM) do que no meio externo (3,5 mM). Logo, por diferença de concentração, a tendência do Na+ é entrar na célula e do K+ é sair da célula.

apot2

O terceiro ponto refere-se especificamente às fases do PA. O objetivo do PA é inverter o potencial de membrana e, com isso, desencadear um impulso elétrico contínuo na célula. Quando há uma inversão no potencial de membrana, denominamos isso de despolarização. Quando a célula inicia seu retorno para o potencial de repouso, denominamos este evento de repolarização. E, por fim, quando a célula ultrapassa em valores mais negativos do que o potencial de repouso, denominamos este evento de hiperpolarização.

apot3

Para que o PA ocorra, alguns eventos precisam ocorrer. O primeiro evento é a entrada de Na+ através de canais iônicos que são ativados quimicamente. Com a entrada contínua do Na+, a variação de potencial de membrana da célula vai ser tornando cada vez menos negativo. Chegará um momento em que a célula irá atingir um potencial limiar. Neste potencial limiar, por sua vez, a ativação de todos os canais de Na+ voltagem dependente. Com isso, uma quantidade imensa de Na+ irá entrar rapidamente, gerando um pico de +35 mV na variação do potencial de membrana, caracterizando assim a despolarização. Nesta voltagem de +35 mV, todos os canais de Na+ são subitamente fechados e, os canais de K+ subitamente abertos. Nesta ocasião, o K+ irá sair abruptamente da célula, fazendo com que a variação do potencial de membrana tenda a retornar para valores negativos, caracterizando assim a repolarização. Esses canais de K+ somente serão fechados quando a célula atingir voltagens menores do que àquelas do potencial de repouso, fato este que observamos na hiperpolarização. No decorrer da repolarização, haverá a atividade da bomba de Na+/K+ para promover o reequilíbrio dinâmico destes dois íons, fazendo com que o Na+ seja lançado para fora da célula e o K+ para dentro.

apot4

Ao término de um potencial de ação, a célula retorna para o seu potencial de repouso e, assim poderá deflagrar outro PA. A célula não será capaz de deflagrar outro PA enquanto a mesma estiver despolarizando e repolarizando, evento este denominado de período refratário absoluto. Entretanto, ao término da despolarização e durante a hiperpolarização, a célula poderá deflagra outro PA, porém precisará de muitos mais canais de Na+ ativados por ligantes, processo esse que denominamos de período refratário relativo.

Recomendados para você

#044 - Funções e Doenças das Pleuras

#044 - Funções e Doenças das Pleuras

14 junho, 2016

Leia mais
#043 - Músculos da Respiração

#043 - Músculos da Respiração

8 junho, 2016

Leia mais
#042 - Volumes e Capacidades Pulmonares

#042 - Volumes e Capacidades Pulmonares

2 junho, 2016

Leia mais
#041 - Linfa, Edemas e Drenagem Linfática

#041 - Linfa, Edemas e Drenagem Linfática

2 junho, 2016

Leia mais
#040 - Tumores Malignos e Benignos

#040 - Tumores Malignos e Benignos

2 junho, 2016

Leia mais
#039 - Ossos do Crânio

#039 - Ossos do Crânio

16 março, 2016

Leia mais